Comunicado

Fomos hoje informados pela Federação Portuguesa de Futebol através do comunicado oficial 178, que os jogos das competições não profissionais de futebol que se iriam realizar no próximo fim de semana vão ser adiados para data a agendar oportunamente, em virtude das Resoluções do Conselho de Ministros 88-B/2020 e 89-A/2020.

Agradecemos à Federação Portuguesa de Futebol e às Associações de Futebol, em particular a Associação de Futebol do Porto, todo o esforço levado a cabo para que este fim de semana as provas desportivas agendadas se pudessem realizar.

Compreendemos e respeitamos que o atual momento que vivemos, em Portugal e em praticamente todos os países a nível mundial, nos leva a todos a adotar comportamentos sérios e responsáveis.  Todavia os comportamentos que pedem para ser interiorizados por todos os Portugueses, também devem ser adotados por quem tem a responsabilidade de nos governar.

Não podemos aceitar que o desporto em geral e o futebol em particular, seja tratado da forma discriminatória e injusta como o atual governo tem tratado os clubes, atletas e adeptos. Os clubes, na sua maioria, estão a lutar contra esta pandemia da melhor forma que conseguem, criaram planos de contingência adaptaram os seus treinos e a sua atividade de forma a minorar os riscos de contágio.

O Governo tem tido na gestão da crise gerada pela pandemia dois pesos e duas medidas, por um lado quer fazer do futebol um exemplo, proibindo as competições desportivas, proibindo o publico nos estádios, no entanto, não deixa de exigir dos clubes as parcas receitas que vão gerando. Sabemos que nem todos os Portugueses tem a possibilidade de desfilar nos camarotes da final da liga dos campeões, como o fez o Primeiro Ministro e os seus acólitos, mas os adeptos de futebol já demonstraram que são responsáveis e tem consciência do momento critico que estamos a viver.

O Governo com esta postura está a condenar à morte os milhares de clubes que existem em Portugal, esqueceu-se, ou talvez não, que a atividade física, como ainda ontem o bastonário da Ordem dos médicos, fez questão de recordar que é importante manter a atividade física, e que não é na área do desporto que as infeções pela covid-19 se estão a propagar.

Não tem consciência dos milhares de jovens por este País fora que estão impedidos de competir, alguns deles com depressões ou sintomas de obesidade e, no entanto, nada faz com os ajuntamentos à porta das escola e festas que se tem realizado um pouco por todo o País. Não é compreensível, pelo menos sem uma explicação lógica, que se permita atravessar concelhos para ir ver um espetáculo num recinto fechado e não se permita a realização de um jogo de futebol.

Seria fácil e demagogo falar na festa do avante, no Grande Prémio de Portugal de formula 1, que juntou cerca de 30 mil pessoas, nos milhares de pessoas que ainda ontem se apinhavam nas praias da Nazaré para ver as ondas, ou ainda dos diversos espetáculos que são permitidos por todo o território nacional, mas apenas pedimos igualdade, coerência e respeito pelas milhares de associações que por esse Pais o atual Governo está a condenar ao fracasso.

Numa altura em que está prevista a chegada de auxílio financeiro, e já se começa a falar de projetos megalómanos, estaremos atentos para perceber qual é a quota parte que estará destinada aos clubes, que exercem funções que constitucionalmente são da responsabilidade do Estado Português.

Estaremos aqui sempre com uma postura colaborativa e com sentido de responsabilidade, mas também estaremos aqui para defender os nossos interesses e exigir ser tratados com respeito e igualdade.

 

                                                                                                                                                    A Direção

Um website emjogo.pt